Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bem me quer

Um diário aberto

Bem me quer

Um diário aberto

Infância

 

11332939.jpg

 

 Tudo na nossa vida são momentos. Tudo ao nosso redor é fotografado com a memória para mais tarde recordar o sitio, as cores, as pessoas e os cheiros. Tudo é momento para relembrar o estado de espirito naquele momento que já passou e onde fomos tão felizes. 


 Relembrar a infância é voltar a ser criança. É querer encher de novo os balões de água e mandar a quem passa, é querer voltar a mandar uma bombinha de mau cheiro para a sala de aula para ver se não a tinhas. É relembrar o domingo e o parque que tinha o baloiço que tu adoravas e só saias durante 5 minutos para outro menino andar.
 Relembrar a infância é relembrar o momento em que vinha a “fada dos dentes”, é querer voltar ao quarto onde tinha a cozinha de brincar e as bonecas. É voltar a ter a bicicleta pronta para ir dar uma volta.
 A infância junta todos os momentos puros, todos os momentos em que ninguém levava a mal uma traquinice. Leva-te até o jogo dos intervalos, onde tinhas que saltar sem prender a corda nas tuas pernas. Onde deixavas de ser só tu e juntava-se mais quatro contigo e todos tinham que saltar ao mesmo tempo senão perdiam.
 Relembras a tua mãe a refilar e a perguntar o porquê de chegares a casa sempre com os sapatos todos sujos e mesmo que tu expliques, mãe que é mãe não percebe a importância do jogo “pisa pisa pé”.

Relembras os momentos de brincar ao arco, ás escondidas, ás apanhadas. Os momentos em que passavas a tarde toda a jogar ao berlinde e só querias ganhar, porque quem ganhava ficava com a esfera.
 Relembras os momentos que tinhas a mania que eras grande e quando a tua mãe dizia para parares tu não paravas e o que acontecia? Levavas uma palmada e dizias a típica frase “não doeu”.

Relembras toda a tua infância e a vontade de voltar aquele baloiço, aquela bicicleta a dar voltas na rua até a mãe chamar para jantar. A vontade do passeio do domingo, das brincadeiras na escola.
 Ao relembrar todos os momentos chegas a uma simples conclusão. Foste uma criança tão feliz, uma criança que brincou sempre em pleno sem medos de magoar o joelho ou sujar a roupa.

 Foste criança, mas todos os anos no dia 1 de Junho voltas a ser. Nem que seja para os teus pais.